GO-SBR

Esporte a motor em Goiás, no Brasil e no Mundo

domingo, 17 de fevereiro de 2013

DTM: Augusto Farfus comenta mudanças na categoria e nas equipes BMW

Curitibano, que terá Joey Hand como parceiro no Team RBM, acredita que diminuição de treinos livres deixará as etapas mais emocionantes

Faltando pouco mais de dois meses para o início do campeonato, Augusto Farfus se prepara para sua segunda temporada no DTM, uma das principais categorias do automobilismo mundial. Com um excelente ano de estreia - no qual conquistou uma vitória, mais dois pódios e duas poles, sendo assim o melhor estreante -, as expectativas para a continuidade do trabalho são ainda
melhores.


Augusto permanece na equipe BMW Team RBM, e seu companheiro será o norte-americano Joey Hand, no lugar de Andy Priaulx. Além das outras duas equipes que já tinha no ano passado - Team Schnitzer (Bruno Spengler e Dirk Werner) e o Team RGM (Martin Tomczyk e Priaulx) -, a montadora bávara irá alinhar também a nova equipe Team MTEK, com os alemães Timo Glock, que acabou de sair da Formula 1 e Marco Witmann, promovido da posição de piloto de testes.


Uma novidade na programação da categoria promete deixar as disputas ainda mais emocionantes. A partir deste ano, os treinos de sexta-feira foram extintos, o que significa que os carros do DTM terão apenas uma sessão livre de 90 minutos antes da tomada de tempos.


A primeira etapa está marcada para o dia 5 de maio, no circuito de Hockenheim, na Alemanha.

Augusto Farfus:


Equipes BMW
"Com a entrada do Joey Hand no Team RBM, seremos a única equipe do DTM com dois pilotos não europeus. Como os treinos foram reduzidos, será importante ter mais carros da montadora, porque assim as possibilidades para estratégia, acertos e informações crescem muito. A entrada do Timo Glock também é muito boa, ele tem um nome forte no automobilismo e é experiente"


Novo formato

"A preparação pré-temporada se tornou ainda mais importante nesta temporada, já que os treinos foram reduzidos. Isso vai dificultar a vida de todo mundo, pois 90 minutos é pouco tempo, e acaba impossibilitando as equipes de fazer grandes mudanças nos carros. O trabalho "off track" (fora da pista) vai ser fundamental. Vamos ter que otimizar a sessão e tentar achar um acerto ideal tanto para a tomada de tempo quanto para corrida. Com certeza as corridas serão muito mais espetaculares"



Jornalista responsável
Mariana Viegas (11) 97175.9015