GO-SBR

Esporte a motor em Goiás, no Brasil e no Mundo

terça-feira, 22 de abril de 2014

Elétricos 50% mais baratos

Governo Federal prepara um conjunto de medidas para incentivar fabricação de carros elétricos e híbridos



Os carros elétricos e híbridos vão receber incentivo do Governo Federal para produção no Brasil. Com isso, o mercado espera que o custo de produção caia pela metade e o produto passe a ser mais competitivo.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) ratificou ao O POVO a expectativa de anúncio para um conjunto de medidas de incentivo ainda no
mês de maio de 2014.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), apresentou em 2013 uma proposta ao Governo Federal para que veículos elétricos e híbridos fossem importados só até 2017, período no qual, as montadoras seriam obrigadas a nacionalizarem a produção para esses modelos. Há possibilidades que um novo programa possa comportar as possíveis medidas para a política de produção de carros híbridos e elétricos, em discussão já avançada pelo Mdic. Atualmente, as montadores de veículos a combustão dispõe de incentivos por meio do programa InovarAuto.

Para Ricardo Guggisberg, diretor do evento Salão Latino Americano de Veículos Elétricos, que acontece em São Paulo em setembro, o público tem interesse no produto, mas não paga mais caro por ele. “Acredito que está muito alinhado com a proposta que a Anfavea enviou para o Governo. Com isso, a redução desse tipo de veículo deve cair 50%. Ou seja, um carro elétrico que custaria R$ 120 mil, pode ficar entre R$ 70 e 80 mil”, revela.

O salão promoverá o estímulo e popularização do consumo de carros elétricos e híbridos. Ainda segundo Guggisberg, o preço desses veículos seriam correspondente ao de modelos como o Toyota Corolla e Honda Civic, que são automóveis de alto consumo de combustível.

Ricardo defende que, com a redução expressiva no preço dos carros com tecnologia elétrica, o consumo se tornará consideravelmente efetivo. “Com o aumento no consumo, amplia-se a rede de infraestrutura e fábrica de componentes, o que gerará outro tipo de mercado. Isso irá proporcionar um aquecimento natural em todos nos diversos setores do mercado automobilístico”.

E o abastecimento?

A infraestrutura quanto ao carregamento para os veículos elétricos, segundo Ricardo, é algo já estabelecido para que consumidores não fiquem sem disponibilidade de recarga da bateria do veículo. “Existem projetos para o desenvolvimento de eletropostos. A tecnologia de recarga já existe no Brasil e as montadoras disponibilizarão suporte quanto à manutenção”, esclarece. No Brasil, a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) planeja a implantação de 100 pontos de recarga do seu projeto de sistemas de abastecimento para veículos elétricos na cidade de Campinas, em São Paulo

Toyota Prius

Um dos veículos híbridos (gasolina e eletricidade) mais populares do mundo, tem uma bateria com potência máxima de 27 kw para armazenamento de energia. O motor a combustão dispensa o uso da correia auxiliar graças ao sistema integrado com o motor elétrico.

Mercedes S 400 Hybrid

Combinando um potente motor de 279 cavalos com um módulo elétrico compacto, o luxuoso S 400 é comercializado no Brasil desde 2010. O propulsor V6, quando trabalhado em velocidades menores (inferiores a 50 km/h), é acionado por componentes elétricos, diminuindo o consumo de combustível do carro.

Renault Twizy

Ainda sem previsão para ser comercializado nas concessionárias brasileiras, o pequeno Twizy é utilizado em operações na usina hidrelétrica de Itaipu e empresas vinculadas ao Programa Carro Elétrico. Com potência de 17 cavalos, possui bateria de íon-lítio, além de autonomia de 100 km. Será utilizado pela Prefeitura de Curitiba durante a Copa do Mundo.

Ford Fusion Hybrid

O motor elétrico de 36 kw dá ao sedã de grande porte da Ford estabilidade e autonomia. Segundo a montadora, a velocidade máxima - usando apenas o conjunto elétrico - chega a 100 km/h. Dotado de baterías de íon-lítio, possui um sistema que memoriza caminhos mais utilizados pelo condutor, que prioriza a utilização da energia elétrica.